Roger Responde 91-100


91 – Pergunta (12/09/2011): Roger, eu gostaria de saber quando você irá realizar outra viagem para o Egito com leitores e qual o objetivo dessas viagens, além, obviamente, de conhecer esse país fascinante? Não sei se me fiz entender. Existe algum motivo que vá além do simples turismo, como, por exemplo, revelações espirituais, preparar os participantes da viagem para projetos futuros ou algo ligado com a orientação dos mentores, etc.?


Roger: Deixei para responder essa pergunta nesta semana porque é nela que começaremos a divulgar a nossa próxima viagem que contemplará o Egito e o Monte Sinai. Creio que o Egito, por toda a sua história espiritual, é um importante local onde podemos reunir aqueles que estão prontos para contribuir com a visão espiritual do terceiro milênio: o Universalismo Crístico. Os espíritos encarnados sintonizados com o U.C. e o antigo Egito certamente participaram da revolução de Amarna, ao lado de Akhenaton, e portanto a viagem à terra de Kemi é uma grande oportunidade para despertar, fazer eclodir para o nível consciente, toda a sua bagagem de vidas anteriores e melhor entender a sua missão nessa encarnação. Na nossa primeira viagem ao Egito, agora em julho passado, ocorreu isso com muitos participantes. A minha função nessas viagens não é percorrer o caminho pelos participantes, mas sim mostrar o rumo e incentivá-los a percorrê-lo.

Na próxima viagem que realizaremos em maio de 2012 o enfoque será um aprofundamento da troca de ideias sobre o que podemos fazer para contribuirmos na implantação e difusão do ideal do Universalismo Crístico pelo Brasil. Assunto este que já tratamos na primeira viagem, em diversas conversas nas agradáveis noites no cruzeiro pelo Nilo. Nessa próxima viagem, o cruzeiro será de 7 noites para podermos aproveitarmos ao máximo a excelente infraestrutura do barco que permitiu uma interação maior entre todos os participantes. Além do mais teremos mais tempo para conversarmos, devido a excluirmos os passeios muito longos e que consumiam tempo e energia sem grande retornos, como foi o caso de Alexandria e Amarna. Infelizmente a cidade celestial de Akhenaton não existe mais… sendo desnecessário retornarmos lá.

O objetivo dessa vez é levarmos um grupo de 40 pessoas. E fazer com que esse grupo se integre e possa trazer a sua contribuição, tanto no campo espiritual como nas realizações no mundo físico, com o objetivo de trabalharmos juntos pela construção de um mundo melhor e mais espiritualizado. Certamente a Espiritualidade responsável por esse projeto, principalmente Hermes, inspirará àqueles que deverão estar presentes, a se mobilizarem para realizar esse sonho tão acalentado por todos: conhecer a terra dos faraós e subir a montanha sagrada em que Moisés recebeu do Cristo Planetário os 10 mandamentos.

Aqueles que participaram da viagem de julho podem falar melhor do que eu sobre como é gratificante poder realizar tal experiência na companhia de pessoas com a mesma sintonia em um mundo onde o enfoque espiritual ainda é tão reduzido. É uma dádiva encontrar almas que pensam de forma semelhante e que em apenas um dia convivendo juntos parece que já se conhecem por séculos… e isso realmente é verdade… Vejam mais informações sobre a viagem de maio 2012 nesse site, através do link: http://ww2.universalismocristico.com.br/index.php?mix


92 – Pergunta (19/09/2011): Como respondes as mais perguntadas, repito para a contabilização de vezes… Roger, já li todos os teus livros anteriores e agora estou lendo Atlântida – No reino das trevas. No começo deste livro há a informação sobre o momento em que a terra entrará no cinturão de fótons da estrela Alcyone. E que a mudança da frequência terrena em decorrência desse fato alterará a percepção de alguns espíritos mais elevados moralmente que estão encarnados, os chamados índigos. Nesse sentido você disse na resposta à pergunta 35, de 16/08/2010: “As crianças que sofrem dificuldades comportamentais para se adaptar a esse “velho mundo”, respirarão aliviadas.” Eu gostaria, se possível, que falasse mais sobre esse termo “respirarão aliviadas”. Será uma mudança orgânica no funcionamento cognitivo desses espíritos encarnados(frequentemente diagnosticados como portadores do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade) ou simplesmente um alívio moral deles por reparar que o mundo está entrando definitivamente numa nova era(neste segundo caso, a data de 21/12/2012 seria só simbólica?)? Ou talvez uma conjugação de ambos(alteração orgânica+alívio moral)? Por acaso essas crianças, ou jovens adultos, deixarão de lado algumas mazelas decorrentes do chamado TDAH, e por isso “respirariam aliviadas”? Muito obrigado pela atenção.


Roger: Eu não respondo apenas as mais perguntadas, mas as mais importantes e que possam esclarecer assuntos de interesse geral. E a tua pergunta está no grupo das mais interessantes. No entanto, são muitos questionamentos e, as vezes, é difícil estabelecer as mais prioritárias. Sem contar que existem perguntas que precisam ser respondidas no momento em que a questão em foco está acontecendo, como fizemos na pergunta passada que dizia respeito a próxima viagem ao Egito ou, então, em perguntas sobre assuntos que foram notícia naquele período e perderiam o sentido se respondidas posteriormente.

Sobre a citação mencionada acima, que consta do capitulo introdutório do livro “Atlântida – no reino das Trevas” e, também, da pergunta 35, de 16/08/2010, refere-se à mudança de frequência espiritual de nosso planeta. Com a desativação total das quatro pirâmides hipnóticas e outras medidas a serem tomadas pela Alta Espiritualidade da Terra, nosso mundo passará a ter uma psicosfera mais higienizada, permitindo que espíritos já sintonizados com frequências espirituais mais elevadas “respirem aliviados”.

Essas crianças não passarão por mudanças orgânicas, pelo menos a curto prazo. As crianças realmente preparadas para o terceiro milênio ficarão como estão. O mundo ao seu redor que se transformará permitindo que elas, “respirando aliviadas”, possam desenvolver todo o seu incrível potencial que está embotado devido as limitações da frequência vibratória atual da Terra. Essas crianças estão prontas para promover um grande progresso espiritual e humano, através de outras visões, quebrando paradigmas, mas, como seus país, professores e a sociedade em geral ainda vibram na frequência do passado, terminam dificultando o desenvolvimento dessas crianças, limitando-as e diagnosticando-as como enfermiças e/ou problemáticas.

No entanto, o que mais me preocupa, é que os pais, no afã natural de acharem seus filhos especiais, confundam as características de crianças índigo com problemas realmente patológicos que necessitem de acompanhamento médico para reduzir seus efeitos e o agravamento da situação. Tenho visto vários país com crianças que apresentam problemas cognitivos dos mais variados e os pais insistem em afirmar que seus filhos são crianças índigos. Uma criança índigo, de modo geral, tem o coração bom e, mesmo sendo rebelde, entende a necessidade da disciplina e de suas responsabilidades, tanto na escola como na vida familiar. E, também, como hoje em dia temos vídeo games, internet, TV´s a cabo e toda uma gama de distrações modernas, fica fácil a criança ser vítima do famoso “´déficit de atenção”, que em muitos casos é apenas preguiça e irresponsabilidade da criança/adolescente para com seus deveres. Os pais precisam ficar atentos a todas essas questões.


93 – Pergunta (26/09/2011): Roger, será que você pode me esclarecer sobre a triangulação ocorrida, em seu livro Atlântida no Reino das Trevas,conjuntamente, quando se fazia entre vocês cinco para a manipulação da energia vril? Quem sabe Hermes possa através de você, me esclarecer sobre “encaixes triangulares”, pois foi isso que certo dia eu “ouvi”, com a minha mente. Na época foi me mostrado um filme, em que usava-se os quatros elementos. Logo em seguida em sonho me vi pairando sobre a esfinge do Egito, vendo-a perfeitamente desde a cabeça por inteiro. Sinto que lá há um portal, e sei que posso acioná-lo. É por esse motivo que me identifiquei com seus escritos. Assim também me mostraram as três pirâmides, eu olhava para elas, como se tivesse vendo-as de frente, e em seguida vi uma estrela cadente vir em direção da primeira. Por esses motivos que peço à você uma orientação, porque onde resido não encontrei alguém que pudesse me orientar sobre esses assuntos.
Mais uma vez, agradeço pelo carinho e atenção. Se de alguma forma puder obter algum esclarecimento ficarei imensamente grata. Moro no interior do estado de São Paulo e certos assuntos sei que por enquanto não devo comentar por não encontrar confiança.

Roger: Tenho recebido vários e-mails a respeito dos rituais de magia utilizados na extinta Atlântida, principalmente sobre a magia de aprisionamento através do círculo, narrada no capítulo 11, “Reunião das trevas”, do livro “Atlântida – no reino das trevas” e essa citada pela leitora, onde Andrey, Sol e Lua estabeleciam um triangulo interno e Andrey, Ryu e Arnach faziam o mesmo de forma externa, montando um “duplo triângulo” de forças para manipular o Vril e assim obterem um poder máximo nos embates narrados no livro. Sem contar perguntas sobre a “suástica invertida” de Hitler, entre outras informações sobre a sinistra “sociedade Vril” durante o triste período da segunda guerra mundial.

No entanto, por ordem expressa de Hermes, não posso revelar nenhuma informação além das que já foram relatadas no livro. O objetivo de nosso trabalho é, e sempre foi, de cunho filosófico, convidando os leitores a uma reflexão íntima com o objetivo de mudarem suas atitudes e pensamentos, através de uma real conscientização de que rumo estão seguindo em suas vidas. Ler e interpretar o conjunto de virtudes espirituais necessários para a nossa evolução é muito simples. Contudo, verdadeiramente compreendê-las e aplicá-las é algo muito difícil. Por esse motivo procuramos relatar essas informações pelo campo racional e emocional em nossas narrativas, com o objetivo de ajudar o leitor a despertar sua própria consciência.

As informações do campo da magia são apenas curiosidades ou elementos que podem se tornar uma força poderosa e destrutiva em mãos despreparadas. A única magia que devemos dominar nesse período delicado que estamos vivendo rumo à Nova Era, é a magia do amor e do respeito aos nossos semelhantes. Esse é o objetivo de todo o nosso trabalho: despertar consciências para que possamos todos juntos caminhar em direção ao amor que o Cristo nos ensinou.


94 – Pergunta (03/10/2011): Minha pergunta é relativa à informação que revelaste no livro “Moisés – Em busca da terra prometida”. Revelaste que o sacerdote Amenófis (Akhenaton na encarnação anterior) reencarnaria posteriormente como Allan Kardec, sendo esta a última encarnação dele. No entanto, em Obras Póstumas, o espírito da verdade traz a informação de que Kardec teria que reencarnar para completar a tarefa de divulgação do Espiritismo. Gostaria que diluísse essa minha dúvida. Desde já muito grato, esperando que continue com muita fé e amor em seus propósitos.

Roger: A afirmação do livro “Moisés – Em busca da terra prometida” é de que até o momento aquela era a última encarnação de Akhenaton. Em nenhum momento afirmamos que seria a última. Fizemos essa afirmação contundente porque na época do lançamento desse livro havia um grande número de espíritas afirmando que Chico Xavier seria a reencarnação de Allan Kardec, devido a grande emoção por seu recente desencarne. Então fomos enfáticos afirmando que a reencarnação de Akhenaton como Allan Kardec tinha sido a sua última até aquele momento, mas não que ele não encarnaria mais. Como já afirmamos na pergunta 14, do dia (15/03/2010), Chico Xavier não foi Kardec. E nessa pergunta fizemos uma referência ao excelente texto da pedagoga espírita Dora Incontri que fez um estudo bem interessante sobre esse tema. Veja no site: www.opiniaoespirita.org/cnek_di.htm

Certamente Akhenaton (Kardec) retornará para prosseguir com sua missão de esclarecimento espiritual da humanidade. Mas não carregando bandeiras de religiões. Essa era a visão da humanidade na época em que Kardec viveu. No século 19, ainda não havia como vislumbrar como seria o futuro espiritual de nossa humanidade. Apesar de que ele, sabiamente, trouxe-nos o Espiritismo como uma ciência e uma filosofia. Seus seguidores, principalmente no Brasil, que o transformaram fundamentalmente em uma religião. E isso não é uma crítica. Talvez se não fosse assim, o Espiritismo teria morrido no Brasil, assim como aconteceu na França, pois naquela época não estávamos preparados para uma visão além das religiões.

Kardec não voltará pelo Espiritismo, mas sim pela divulgação da Espiritualidade no mundo, de forma ampla e desprendida de agremiações. Até porque, quando ele retornar, a visão que o mundo terá de Espiritualidade já estará muito além das crenças religiosas que temos hoje. O Espiritismo, assim como as demais religiões, serão procuradas apenas por conservadores tradicionais, que seguem essa ou aquela religião, na maioria das vezes, apenas para seguir o legado de seus pais e avós, pouco se importando com a essência espiritual, que realmente transforma.

O leitor deve compreender que os espíritos nos trazem comunicações plenamente verídicas, mas as assimilamos de acordo com a capacidade de discernimento que temos na época. As nossas percepções do mundo são limitadas e vão se ampliando à medida que evoluímos. Assim caminha a humanidade! O Espírito da Verdade, que se manifesta nas obras de Kardec, é o próprio Jesus, portanto, quem somos nós para discordar da informação de que Akhenaton (Allan Kardec) encarnará novamente na Terra?

95 – Pergunta (10/10/2011): Roger, desculpe a indiscrição, mas fiquei sabendo que na viagem ao Egito em julho você torceu o joelho em frente a esfinge de Gizé, e essa torção resultou em uma ruptura de menisco. O que mais me impressionou sobre esse relato é que você na personalidade de Radamés no livro Akhenaton e depois como Natanael nos livros sobre Moisés, também teve um problema semelhante no mesmo joelho direito. Tanto que mancava “na pele” de Natanael devido a esse problema que só foi solucionado quando Moisés o curou durante a fuga do Egito. Por Deus, o que seria isso? Um carma ainda não totalmente cumprido? Rememorações muito intensas causaram essa revivificação cármica? E, claro, eu gostaria de saber também como você está agora, após a cirurgia. Espero que esteja bem! Todas as noites peço por você em minhas orações, de todo coração, para que o “Espírito Criador” lhe dê muita saúde e luz para prosseguir nos iluminando com mais belas obras literárias e com essa mensagem abençoada do Universalismo Crístico, que nos fez perceber que somos livres para fazermos a nossa caminhada espiritual independente das religiões.

Roger: Querida, obrigado por se preocupar comigo. No dia 29 de agosto fiz uma cirurgia de ruptura do menisco medial, removendo-o. Foi uma cirurgia simples, mas mexer no joelho sempre resulta em inchaço e necessidade de fisioterapia para recuperar o movimento. Agora já estou quase plenamente recuperado. Inclusive voltei a nadar para fortalecer a musculatura da perna. Eu pensei que somente nadando já estaria bem fortalecido para as “maratonas do Egito”, mas o sol escaldante do verão e o cansaço de caminhar de um lado ao outro pelo extenso platô de Gizé cansaram as minhas pernas. Em um momento de desequilíbrio, em frente a esfinge (a foto antes da torção até está no meu facebook) ou eu caia de cima daquelas pedras imensas, da altura de uma pessoa, ou me apoiava no joelho torcido, o que terminou causando o rompimento do menisco. Ainda bem que tínhamos três médicos na expedição e um deles me emprestou anti-inflamatórios e assim pude prosseguir a viagem normalmente. Claro que mancando levemente, assim como Natanael há 3 mil anos… O que terminou se tornando motivo de brincadeiras por parte do divertido grupo da expedição de julho 2011.

O grupo de pessoas que já está fechando o pacote para a próxima viagem em maio de 2012 deve procurar realizar caminhadas e algum trabalho de reforço muscular nas pernas. Farei isso também. Ainda mais que a subida ao monte Sinai exigirá bastante das pernas daqueles que irão a pé. Mas não se preocupem, quem quiser pode subir o Sinai montado em um camelo. Uma experiência que deve ser fantástica também. Não vejo a hora… será algo tão interessante em termos de meditação e vivência quanto a caminhada de Santiago de Compostela, no nordeste da Espanha.

Tenho recebido perguntas sobre a viagem ao Egito em 2012, ano da entrada da Terra na “Era da Luz”, se a viagem tem algo de “experiência energética”. Viajar ao Egito sempre é uma experiência energética e transformadora. E creio que em 2012 isso será ainda mais intenso. É impossível ir ao Egito e não ter “insights” de vidas passadas, principalmente para quem já teve encarnações na terra dos faraós. Independente de já termos superado esse ou aquele carma, as lembranças retornam fortes, fazendo-nos reviver consciente e inconscientemente alegrias e traumas do passado, permitindo-nos retornar ao Brasil renovados e com uma nova consciência, libertando-nos de nossas limitações. Tenho observado isso nos que foram na viagem de julho. Hoje estão mais fortes, confiantes e com elevada autoestima. Uma semana de vivências no Egito pode ser mais eficaz do que anos de terapia.


96 – Pergunta (17/10/2011): Roger, muito pouco se fala e quase nada se sabe sobre a meditação (contemplação) aqui na filosofia do Ocidente, ao contrário da do Oriente. O “não-agir” permanente, praticado por muitos orientais, sem dúvida não é uma atitude ideal para a Nova Era. Em contrapartida, o “falso-agir” praticado pela grande maioria dos ocidentais é muito mais reprovável.
Como você vê a prática da meditação no horizonte da nova era que se aproxima? A meditação poderia ajudar na atual transição que estamos passando? Ao passo que o estudo de obras crísticas ajudam a “saber”, a meditação não ajudaria as pessoas a “Ser aquilo que se sabe”? Não haveria um avanço espiritual muito maior nas pessoas se elas aliassem a caridade com a meditação do que naquelas que só praticam a primeira?

Roger: Sim. A tua colocação é muito interessante. E talvez aí esteja o foco principal para realmente o homem se desenvolver espiritualmente de forma integral. O mestre Ramatís, na segunda metade do século passado, através de seu médium Hercílio Maes, trabalhou em seus livros sobre a importância de unirmos os conceitos espirituais do Ocidente e do Oriente, dando o “pontapé inicial” para o trabalho que realizamos hoje através  da difusão do projeto Universalismo Crístico na Terra.

O cenário atual no mundo ocidental, em geral, realmente é o do “falso agir”, como colocaste sabiamente em tua pergunta. Seguimos as religiões, as mais diversas, mas não existe uma reflexão sobre seus ensinamentos e qual é o objetivo de nossa existência no mundo material. Tudo é muito superficial; haja vista o mecanicismo imposto pela vida humana. O homem ocidental tem medo de meditar. Vive escravo de sua rotina. Quando chega em casa do trabalho e não encontra ninguém em casa, rapidamente liga a televisão, temendo ter que realizar um “diálogo consigo mesmo”.

São raros aqueles que realizam o saudável ato de meditar sobre sua caminhada espiritual e depois ainda buscar colocar em prática o que aprendeu na teoria, exercitando “seu espírito” para adquirir praticamente as virtudes que devemos agregar às nossas almas para nos tornarmos pessoas melhores. “Conhece-te a ti mesmo”, já diziam os sábios filósofos gregos.

Meditar e não agir é o “não-agir”; não meditar, e agir sem consciência real do objetivo dessa ação é o “falso-agir”. Muitos espiritualistas praticam a caridade, mas sem real sintonia com ela. Em alguns casos, realizam a caridade apenas para obterem méritos espirituais com o objetivo de escaparem de ter de expiar os seus desvios de comportamento nas zonas de trevas do mundo espiritual, após seu desencarne, como foi bem descrito no livro/filme “Nosso Lar”.

A mudança interna necessita de prática diária; da mesma forma que necessitamos de exercícios rotineiros para que nosso organismo físico tenha saúde e bem estar. Como falei na semana passada, fiz uma cirurgia no joelho e agora estou realizando fisioterapia para que o movimento da perna seja plenamente recuperado. Da mesma forma ocorre com nossas almas. Se nos afastarmos do exercício saudável de “meditar” para obtermos a consciência crística para “praticar” sinceramente ações voltadas para o Bem e para a Verdade, nossa alma se atrofiará ou, pior, se acostumará ao “movimento inverso”, ou seja, se acostumará a viver na sintonia negativa, reclamando de tudo e de todos e seguindo pelo caminho mais fácil, que é o de atender somente os desejos de seu próprio ego, desligando-se de sua relação com o mundo e vivendo apenas para seus interesses. No plano espiritual, consciências que vivem nessa sintonia, tomam a forma de ovoides, perdendo sua forma perispiritual e vivendo em um mundo íntimo de ódio, rancor e inconformidade, perdendo a conexão com Deus e os bons espíritos por longos períodos.

Não meditar e filosofar sobre quem somos, de onde viemos, e qual nosso objetivo na vida, é alienar-se, ou seja, morrer em espírito. Dessa forma passamos a ser máquinas de carne alienadas que apenas aguardam o momento de desencarnar e voltar para a pátria espiritual em débito, necessitando resgatar todo o tempo perdido. Meditar e não colocar em prática é aprender, mas, infelizmente, não viver. Somente realizando as duas coisas, cresceremos espiritualmente e alcançaremos a tão sonhada felicidade eterna. O Universalismo Crístico em essência é exatamente isso. Aprender com a filosofia espiritual ensinada pelos grandes mestres de todas as religiões, e, sinceramente, colocá-las em prática, libertando-se da alienação espiritual vigente no mundo nos dias atuais.

Jesus nos disse: “Conhece a verdade e ela vos libertará”,  “não olhe o cisco no olho de teu irmão; veja a trave que encontra-se no seu” e diversos outros “antídotos antialienantes”… cabe a nós abrirmos nossos olhos e percebermos esses ensinamentos e colocá-los em prática.

97 – Pergunta (24/10/2011): Roger, como você vai escrever livros sobre Jesus, , talvez possa me ajudar. Há poucos dias li o livro Boa Nova de Chico Xavier e no final da narrativa o autor descreve o encontro de Jesus já ressuscitado com Maria Madalena, ela teria sido a primeira pessoa a encontrar com o messias após a ressurreição, no entanto ele pede para ela não tocá-lo pois ainda não havia ido até seu pai. Esta atitude de Jesus me deixou intrigada, procurei nos 4 evangelhos a mesma passagem e constatei que Lucas nem menciona o encontro, Marcos cita o encontro mas não entra em detalhes, já Mateus narra o encontro dizendo que Madalena estaria com outra Maria e que ambas abraçam os pés de Jesus, o único que narra o encontro da mesma forma que Humberto de Campos, através da mediunidade de Chico, é João. Gostaria de saber, se possível, se o encontro aconteceu mesmo e o motivo de Jesus lhe pedir que não o tocasse já que nos outros encontros com os apóstolos em espírito era comum que os mesmos lhe tocassem, como no tão conhecido encontro dele com Tomé.

Roger: Sim, como já afirmamos nesse espaço destinado aos leitores, no futuro escreveremos uma série de livros sobre a fantástica missão de Jesus, explanando com mais detalhes todos esses pormenores, caso Hermes nos permita “mergulharmos” com profundidade nesses incríveis acontecimentos que ocorreram há dois mil anos, assim como fizemos nos livros Akhenaton, Moisés – O libertador de Israel, Moisés – Em busca da terra prometida, Atlântida – No reino da Luz e Atlântida – No reino das trevas.

Jesus impediu Maria Madalena de tocá-lo logo após a ressurreição porque ela estava vendo mediunicamente (através da terceira visão) somente o seu corpo perispiritual, sem estar “materializado”. Essa “materialização” ocorreu no famoso encontro com os discípulos quando Tomé tocou as chagas de Jesus e em outros vários momentos durante os 40 dias seguintes. Nesses momentos, Jesus estava portando o que ficou conhecido como sendo o seu “corpo glorioso”, ou seja, ele apenas realizou uma “materialização” utilizando-se de ectoplasma fornecido pelos próprios discípulos que possuíam mediunidade de efeitos físicos.

Jesus, nessas impressionantes aparições, tentava passar a mensagem da imortalidade da alma, e não do corpo. Mas claro que Maria Madalena nem os discípulos entenderam isso claramente na época, portanto todos passaram a crer que Jesus havia ressuscitado fisicamente. E foi essa crença que impulsionou o cristianismo a tornar-se uma religião que cresceu exponencialmente por séculos e séculos até os dias hoje. Seria engraçado, se não fosse triste, constatar que um fato mal interpretado, entendido como miraculoso, teve mais força que a própria mensagem sublime de Jesus. Se não fosse o fato “surreal” de seu “retorno do mundo dos mortos”, talvez a sua mensagem hoje em dia não estivesse viva. Característica típica de um mundo primitivo como o nosso, que precisa da imagem de Jesus sendo martirizado e crucificado para lembrar de sua mensagem, enquanto o sermão das bem aventuranças e outros grandes ensinamentos seus são desconhecidos da grande maioria de seus fiéis.

É contra essa alienação religiosa que o Universalismo Crístico procura lutar, despertando as consciências que ainda tratam o tema “Espiritualidade” como um mero ritual de culto exterior e mecânico. Outro exemplo semelhante é o de Chico Xavier. Quantos se maravilharam com sua mediunidade notável? No entanto, quantos realmente buscaram entender e viver sua mensagem de Luz? A grande maioria ficou apenas na casca, poucas mergulharam ao âmago do real objetivo de seu trabalho.

E, inclusive, se o santo sudário for realmente autêntico, essa é uma comprovação de que o corpo de Jesus na verdade se desmaterializou horas após sua morte, como ocorre com mestres muito especiais, fato que causou uma “fotoimpressão” no tecido mortuário. Teoria na qual eu, particularmente, acredito; apesar de ainda não ter confirmações mediúnicas a respeito disso. Com essa teoria, a crença básica do cristianismo tradicional cairia por terra. Jesus jamais ressuscitou. E isso e sua crucificação não são a essência de sua mensagem. O corpo volta à terra e o espírito ascende para experiências superiores. Creio que esses livros sobre Jesus serão reveladores e com uma narrativa inesquecível. E espero estar à altura de realizar esse grande empreendimento.


98 – Pergunta (31/10/2011): Prezado Roger, começando a assistir a sua palestra no simpósio realizado no mês de abril em Brasília, observei que você afirmou que o homem é uma evolução do macaco. Foi dito da seguinte forma: “como vocês sabem, o nosso corpo biológico evoluiu através de um processo do mundo dos macacos; tem gente que não acredita nisso, mas o “homo sapiens” veio através da evolução dos primatas”. Roger, peço desculpas, mas afirmo que o homem não é produto da evolução dos macacos. O corpo humano é produto de uma alta tecnologia das consciências extraterrestres, ou seja, o “Comando Planetário Terra”, através dos engenheiros siderais, produziu este nosso corpo para que o espírito vivenciasse uma determinada missão no sistema denso da matéria. O espírito humano é distinto do espírito dos animais. A linhagem humana é uma, e a linhagem dos animais é outra totalmente diferente. Deus se manifesta no cosmos de diversas formas que a maioria dos homens não tem condições de assimilar e entender.A linhagem dos animais, que muitos exotéricos denominam de “reino dos devas”, já existia no planeta Terra muito antes do homem. O homem começou a vivenciar experiências neste planeta a mais ou menos trinta mil anos atrás. Antes disso, somente os grandes animais é que habitavam o nosso planeta. Existe, no astral do nosso planeta, um comando de espíritos que controlam o reino dos animais. Por exemplo: se você quiser conversar com o seu cãozinho de estimação com esta nossa linguagem, o animal não irá compreender, salvo em raríssimas exceções num processo de telepatia. No entanto, se você fizer uma projeção astral e tiver contato com os espíritos do reino dos devas, este espírito poderá dar um comando ao seu cão e ele obedecerá instantaneamente, sendo que você compreenderá todo o processo de comunicação.
Infelizmente, os homens ainda não têm compreensão de tudo o que se passa no astral do nosso planeta. Existe uma tecnologia tão avançada, tão avançada, que nenhuma ciência, atualmente, seria capaz de compreender. É por isso que quando um determinado ser humano é abduzido por nossos irmãos das estrelas, fica totalmente perdido e não compreende qual o verdadeiro papel dos extraterrestres junto ao planeta Terra.

Roger:
Em nossos livros “Atlântida – No reino da luz” e “Atlântida – No reino das trevas” afirmamos que os antigos atlantes advinham de uma outra linhagem, superior, oriunda da quarta dimensão. E foram eles que realizaram as manipulações genéticas necessárias para estabelecer o “elo perdido” da nossa humanidade, aperfeiçoando a matriz genética dos “macacos” para dar origem ao homo sapiens. Leia o livro para ter uma ideia melhor do que propomos. Pegar uma frase solta em uma palestra pelo youtube torna difícil uma boa avaliação sobre nosso trabalho.

Afirmamos também que os “deuses gigantes que vinham dos céus” no início de nossa humanidade eram também os atlantes que tinham a função de promover o progresso desses povos incipientes. Em nenhum momento extraterrestres vieram nos visitar e abduzir, pelo menos não em nossa dimensão, como se especula até hoje. Inclusive já respondemos sobre tudo isso nessa coluna. E existem estudos bem atuais questionando a veracidade desses relatos:
http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI5438777-EI8147,00-Cientistas+dizem+ter+provado+que+ETs+sao+produto+da+imaginacao.html

De qualquer forma, respeito tua opinião. Mas te alerto para que reflitas sobre ela.  Tu a defende como verdade indiscutível, como se tu tivesse alguma prova definitiva e absoluta a respeito dela. Tu estás lindando com “crenças”, e não com “fatos”, portanto sempre é importante analisar com cuidado e abrir a mente para outras possibilidades.

E segundo a análise da ciência, cada vez mais se confirma a teoria evolutiva de Darwin. Acreditar em algo diferente é como crer na teoria do “criacionismo”, que afirma que o mundo foi criado em seis dias por Deus a pouco mais de dez mil anos, como afirma a Bíblia. Basta analisar fósseis e rochas para verificarmos que a Terra tem milhões de anos, tornando essa teoria absurda. Sem contar que a matriz genética dos humanos e dos macacos é quase idêntica, segundo se verificou através do mapeamento do genoma humano, comprovando a nossa ancestralidade em comum.


99 – Pergunta (07/11/2011): Roger, adoro tanto seus livros que vi em uma loja um “terceiro livro sobre Moisés” porque dizia na capa “volume 3” e o comprei imediatamente. Mas chegando em casa vi que o livro era o mesmo “Moisés – Em busca da terra prometida” que eu já tinha lido e na capa indicava ser o “volume 2”. Houve um erro de impressão? Isso pode causar confusão em alguns leitores, assim como ocorreu comigo.

Roger: Os livros “Akhenaton – A revolução espiritual do antigo Egito”,  “Moisés – O libertador de Israel” e “Moisés – Em busca da Terra Prometida” tratam-se de uma trilogia. E muitos leitores não sabem disso. Por diversas vezes recebi e-mails afirmando terem adorado o livro Akhenaton e que desconheciam a informação de que ele teve continuidade nos dois livros sobre Moisés.

Quando elaboramos os trabalhos sobre Moisés, optamos por colocar volume 1 e volume 2 pois se tratava diretamente da mesma história. No entanto, devido a desinformação dos leitores sobre ser uma trilogia, iniciada no livro Akhenaton, conversei com a editora do Conhecimento e decidimos realizar o indicativo de que era uma trilogia, sendo “Akhenaton – A revolução espiritual do antigo Egito” o livro 1, “Moisés – O libertador de Israel” o livro 2 e “Moisés – Em busca da terra prometida” o livro 3. E o título geral seria “Trilogia da Implantação do monoteísmo na Terra”, para serem vendidos de forma conjunta no futuro, em uma caixa estilizada com valor especial.

Infelizmente isso causou essa outra confusão, relatada na pergunta. Peço aos leitores que prestem atenção nesses detalhes de troca de edições e mudanças nas capas dos livros. As vezes dá a impressão de ser um novo livro, mas nem de longe é essa intenção. De forma alguma desejamos enganar os leitores. Tudo que fazemos é para melhor informá-los. Para ter certeza do andamento de nosso trabalho, quais os livros lançados e novos lançamentos, palestras e demais informações, procurem divulgar e acessar regularmente o site www.universalismocristico.com.br

Quem acompanha regularmente a coluna “Roger Responde” já sabe, por exemplo, que estamos trabalhando no novo livro “Universalismo Crístico Avançado” que será lançado provavelmente no segundo semestre do ano que vem.


100 – Pergunta (14/11/2011): Gostaria de saber o seu ponto de vista e dos espíritos que lhe auxiliam no plano superior, como Hermes, em relação a falta de religiosidade. Veja bem, o ser humano pode ter o coração cheio de amor, ser uma pessoa boa e pura de espírito, mas que não sente necessidade e não crê no Cristianismo. Muita documentação de mediunidade extracorporal (viagem astral) é feita voltada à religião, como se tudo girasse em torno de Deus, Jesus Cristo. Não basta ter amor no coração e fazer o bem? Supomos que existe um Deus que tudo vê. Este Deus não irá me acolher por eu ser uma pessoa boa mas não acreditar nele? Resumindo: Sou um cético espiritualista, que tem a mente aberta, coração cheio de amor e 0% religioso. Não acredito na bíblia. Acredito apenas na energia positiva(amor universal) e energia negativa(falta de amor). Pelo meu perfil, acredito que você tenha captado as dúvidas que me perseguem. Como são tratadas essas questões no plano espiritual (frequências mais altas)?

Roger: Hoje é um dia muito especial. (Pergunta entrou no site em 11/11/11 as 11:11) Estamos chegando a centésima pergunta respondida aqui nesse espaço. Um fato a se comemorar! Já temos um “livro” de informações adicionais à disposição dos leitores no site WWW.universalismocristico.com.br Divulguem aos seus contatos. Ainda hoje recebo muitas perguntas que já foram respondidas aqui de leitores que desconhecem essas informações complementares sobre os nossos livros e o projeto Universalismo Crístico na Terra. E para um dia especial, escolhi, também, uma pergunta bem especial, que creio ser de grande valia para o entendimento do trabalho que estamos realizando e, algumas vezes, é incompreendido devido a sua natureza independente das religiões.

Sim. Entendo a tua colocação e acho ela muito interessante e pertinente. O trabalho que estamos desenvolvendo, o Universalismo Crístico, tem por objetivo principal despertar a consciência espiritual nas pessoas, libertando-as da alienação, independente de terem ou não uma crença religiosa. As novas gerações, cada vez mais, se distanciarão do modelo religioso que conhecemos, de submissão a dogmas e rituais litúrgicos. As novas gerações não serão “servos de Deus”, e sim seus amados filhos; não se colocarão de joelhos perante Ele, mas sim sentarão à mesa com o Criador para trabalhar ao seu lado com o objetivo de promover o progresso de toda a Criação. No entanto, creio que a filosofia espiritual dos grandes avatares da Terra deve ser sempre estudada e praticada. As religiões e sua ritualística podem ser descartadas, mas a mensagem dos grandes mestres é o farol que nos conduz aos verdadeiros valores espirituais. E creio que o bom filósofo, mesmo que ateu, agnóstico ou cético, reconhece a grandeza filosófica e espiritual das mensagens de mestres como Jesus ou Buda.

A falta de religiosidade não é vista como problema nenhum pela Alta Espiritualidade. As religiões são organizações humanas, e não espirituais. O que Deus espera de nós é que “amemos os nossos semelhantes como a nós mesmos e não façamos aos outros aquilo que não gostaríamos que nos fizessem”, ou seja, exatamente o que tu colocas em tua pergunta. E o perfil que tu apresentas é o que chamo de “espiritualismo cientifico”, que busca, através de uma análise racional, identificar, comprovar e revelar a Espiritualidade no mundo físico. Algo de extremo valor nessas primeiras décadas do terceiro milênio.

No livro “Universalismo Crístico – O futuro das religiões”, afirmamos também que até mesmo céticos, ateus e agnósticos são bem vindos dentro da visão do Universalismo Crístico, desde que procurem estabelecer relações harmônicas com os seus semelhantes e o planeta. Em geral, as pessoas muito religiosas sofrem de “miopia espiritual”, suas mentes estão impregnadas por crenças em demasia, e muitas delas são bem distorcidas e fanatizadas, causando mais o mal do que o bem ao meio em que vivem, devido a defesas fervorosas de “verdades absolutas”, pois se consideram os “donos da verdade”, e, também, por causa de perseguições religiosas por não aceitarem as crenças alheias. Portanto, vejo com bons olhos os pesquisadores espirituais que buscam a Espiritualidade sem submeterem-se às religiões; promovendo o entendimento espiritual de forma sensata e com tolerância.

E esse será o perfil das novas gerações. Um dia uma mãe me procurou argumentando que seu filho, adolescente, não tinha Espiritualidade, pois o jovem não gostava quando ela realizava orações e o convocava para a prática do Evangelho no Lar. Conversando com ele, percebi que o problema não era a “conversa com os bons espíritos e com Deus”, mas sim a excessiva formalidade das “orações religiosas”. E o estudo da mensagem edificante de Jesus também não era o que o incomodava, mas sim a ritualística de ler o Evangelho ao “pé da letra”, cheio de formalidades e com uma linguagem antiquada, ao invés de fazer uma conversa descontraída sobre a mensagem de Jesus e a melhor forma de colocá-la em prática nas situações do cotidiano moderno.

Percebam, meus amigos, que uma nova consciência está surgindo com a chegada da geração do terceiro milênio. E precisamos nos adaptar a ela para melhor auxiliar a busca de Espiritualidade de nossos filhos e netos. Quem for contra essa tendência, vai perder a “conexão” com os seus filhos, fazendo-os se desligarem, também, da saudável busca espiritual. A ausência do aconselhamento paterno pode levar os filhos a caírem nas mãos das drogas e/ou outros caminhos sombrios.  A maior missão que temos para realizar nesse mundo não é sermos grandes médicos, advogados, professores, etc. Isso é importante também. Mas a nossa principal missão é educarmos bem os nossos filhos para que se tornem no futuro grandes homens e grandes mulheres, sedimentando em seus corações e mentes os verdadeiros valores da alma, independente das religiões e sua excessiva formalidade.

Religiões são apenas instrumentos para a compreensão de Deus, não são o próprio Deus. Jamais coloquem as religiões acima do amor aos seus semelhantes. Amem ao seu próximo, e não às religiões. Elas estão aqui para servir-nos, e não para sermos seus escravos. O plano espiritual superior fica mil vezes mais alegre com um ateu em harmonia com seus irmãos e o planeta, do que um religioso que vive escravizado aos seus rituais, dogmas e regras de comportamento, mas se esquece de realizar o seu papel para construir um mundo mais fraterno. No entanto, a prática do bem viver associada a consciência espiritual permite ao ser humano uma melhor experiência de aprendizado no campo dos valores espirituais. Aliar a prática dos bons valores à consciência espiritual é garantia de grandes conquistas espirituais e de uma verdadeira realização pessoal, encontrando a definitiva felicidade.


101 – Pergunta (21/11/2011): Caro Roger, eu gostaria que você nos expusesse qual o objetivo fundamental do Universalismo Crístico. Tenho lido seus livros e acompanhado as informações do seu site, além de acompanhá-lo no facebook. Só não o sigo no twitter porque você não tem conta lá. Deveria criar. Teria muitos seguidores que procuram palavras sábias de luz como as suas. Mas o que desejo saber na pergunta é qual o objetivo essencial do Universalismo Crístico? Espero que não ache a minha pergunta estúpida. É que estou tendo dificuldades para expressar o que quero saber. Sinto algo mais “internalizado” no Universalismo Crístico que fala mais ao fundo da alma. E não consigo entender claramente. Grato pela atenção.

Roger: Querido amigo, claro que a tua pergunta não é estúpida. Na verdade é muito inteligente, porque tu conseguiste ir além da concepção racional e didática do Universalismo Crístico. Algumas pessoas me dizem que o Universalismo Crístico já existia através do Espiritualismo moderno ou, então, do Espiritismo Universalista. E isso é verdade. O que fizemos (e estamos fazendo no novo livro que está sendo elaborado), é apenas codificá-lo de forma abrangente e independente das religiões, permitindo que as pessoas tenham um roteiro claro e estruturado para a sua jornada evolutiva. Os temas espirituais são muito abstratos. E isso leva as pessoas, muitas vezes, a crenças fantasiosas que apenas as distanciam do mundo real e as conduzem para caminhos pouco produtivos para a sua evolução, tanto espiritual quanto humana.

A concepção do Universalismo Crístico visa, em essência, despertar as pessoas para pensarem o tema Espiritualidade de uma forma diferente, liberta e inovadora para que conquistem a oportunidade de viverem uma experiência espiritual completa, plenamente lúcida e com resultados realmente grandiosos em sua evolução infinita rumo à iluminação espiritual. Nunca na história de nossa humanidade foi oferecido um modelo tão abrangente e livre para que as pessoas evoluam por suas próprias iniciativas. A Alta Espiritualidade da Terra com isso está nos dizendo claramente: “Vocês não são mais crianças. Acreditamos que possam tomar as iniciativas certas sem serem conduzidos por dogmas ditados por líderes e gurus espirituais. Vocês aprenderam em todos os séculos passados qual o caminho, agora é hora de trilhar esse caminho por suas próprias consciências.” Isso é absolutamente maravilhoso! Como falei na pergunta anterior, passou o tempo de nos ajoelharmos perante Deus, como crianças penitentes, e chegou o momento de sentarmos de forma responsável ao seu lado na mesa de projetos para trabalharmos por um mundo melhor. E isso não é tarefa somente para almas iluminadas. Temos, sim, nossos erros. Mas se somos conscientes deles e trabalhamos para vencê-los, diariamente, então temos direito, também, a assento nessa mesa de trabalho ao lado do Criador.

O crescimento do Universalismo Crístico é inevitável; à medida em que a humanidade for se esclarecendo devido aos avanços sociais e educacionais em todo o planeta, principalmente por causa dos avanços trazidos pela tecnologia da informação (ipad´s, internet, etc.), que popularizarão a informação e o conhecimento. No futuro, as igrejas de manipulação de massas perderão sistematicamente as suas forças e as pessoas caminharão de forma livre e  consciente através da estrada que todos nós, juntos, construiremos com o Universalismo Crístico. Assim como o mapeamento do genoma humano e outros avanços da medicina estão sendo atingidos para atender a uma futura humanidade “sem carmas degenerativos” (como explicamos no livro “A Nova Era”), o Universalismo Crístico está sendo desenvolvido para atender espiritualmente a humanidade do futuro, plenamente consciente e lúcida. A concepção do U.C. será algo “intuitivo” para as novas gerações. Eles precisarão ler apenas meia dúzias de linhas como essas para saberem qual o caminho espiritual que percorrerão por toda as suas vidas.

A vitória da implantação do Universalismo Crístico é crucial para o futuro da Terra. O inevitável afastamento das religiões (que já está acontecendo, devido a elas não atenderem mais às concepções modernas) está afastando o homem da busca do Bem e do saudável cultivo dos bons valores que norteiam a humanidade. A busca de Espiritualidade é o necessário “equilíbrio da balança” para contrapor-se ao desaparecimento sistemático da ação religiosa sobre os homens, como ocorria no passado. Sem a Espiritualidade consciente do Universalismo Crístico, a humanidade perderá seus valores fundamentais, o que causará um retrocesso no processo evolutivo de nosso mundo.

E sobre a conta no twitter, não a criei porque gosto de falar-lhes através desse canal de comunicação do site. As vezes, uso o facebook também. Mas o tempo é curto e preciso manter-me focado no novo livro. Atender a todas as mídias seria complicado. Mas nada impede que no futuro eu reveja essa posição e crie a conta no twitter, apesar de achar que o facebook engloba todas as funcionalidades do twitter e ainda outras mais, como o álbum de fotos para eventos, etc. A viagem ao Egito em maio de 2012, que debaterá o Universalismo Crístico, está com mais de 70% das vagas preenchidas devido, também, as fotos que postamos no facebook da viagem realizada agora em julho de 2011, e que foram muito acessadas. Indiquem aos amigos para que me adicionem no facebook para melhor divulgarmos o Universalismo Crístico.